quinta-feira, novembro 24, 2005

Minhocas sobre as Cobras do Veríssimo

"- Flecha, você me ama?
- Sim.
- Mais do que a você mesmo?
- Aí seria fanatismo, Shirlei."

Eu pretendia escrever sobre isso, o humor das Cobras, tiras do Luis Fernando do Veríssimo, mas como existe um ditado que eu adaptei para "vivendo e se surpreendendo", vou falar sobre isso e mais um pouco.

Bem, minha discussão seria sobre a velha tese do "o-veríssimo-faz-aquelas-cobras-então-eu-também-posso-fazer-charges". Claro, aí está incutido algo que eu concordo: não é só a qualidade do desenho que torna bom um quadrinho. É necessário um bom argumento, uma boa idéia. Mas esta sozinha, ou melhor, acompanhada de um mal desenho dificilmente se sustenta.

Veja que pra você gostar de uma charge cujas personagens hipoteticamente fossem bonecos-palitinhos, o argumento teria que ser genial. E, veja-parte2, argumentos geniais em charges eu só lembro de ter visto nas tiras do Veríssimo, seja nas Cobras, seja na Família Brasil. E, mesmo usufruindo desses rompantes de gênio, nem o Luis Fernando Veríssimo ousou fazer charges com palitinhos: criou dois personagens, um cenário, um enredo. E usou uma técnica simples de desenho (que, por ser simples, não quer dizer que não seja uma técnica) pra tornar real a sua idéia.




Assim, se não se pode dizer que o LFV desenha bem, é igualmente absurdo alguém encontrar indícios concretos para dizer que o cara desenha mal. O Veríssimo repete nas charges o segredo das suas crônicas: usa e abusa da simplicidade pra dizer coisas complexas, humorísticas. E a genialidade está em fazer isso usando duas cobras, e não em ter um texto bom adaptado a alguns riscos dentro de um quadro. Porque aí seria melhor fazer um texto, não uma charge.

Até porque o LFV produziu um jornal - Pato Macho, o nome - com charges já em 1971. De lá pra cá são 34 anos (obviamente que ele deve ter começado a desenhar antes, mas esnobemente vou ignorar isso, pois já tenho números suficientes pra vencer essa discussão-solo)! Ou seja, se em mais de três décadas o Veríssimo não tivesse aprendido alguma coisa de desenho... Daí que defendo que desenhar cobras é uma opção, não uma necessidade.


Mas, enfim!, se alguém pensa diferente, a gente pode discutir outra hora. O que queria ressaltar é que, navegando pelo site do cara achei a seguinte novidade:

"Durante as duas décadas em que foram desenhadas por Verissimo, as Cobras divagaram sobre a imensidão do universo, conversaram com Deus, participaram de eleições, montaram times de futebol, mas uma coisa nunca tinham feito: mover-se. Pois agora elas se movem, como provam as tiras animadas acessíveis nesta página."

Ou seja, as Cobras agora são animadas, ou, quem sabe, mais animadas. Vá lá, visite o site e se engane com os próprios olhos! Quem sabe você também se anima um pouco... Eheheheh.

3 comentários:

Tonica disse...

UhU que beleza!!
bom demais ver tu devagar em quadrinhos e sobre eles. Adoro quadrinhos, principalmente as tirinhas, tenho algumas colecionadas. Época que eu lia o Folhateen, quardei algumas.... aquelas Los três amigos.. muito cômicas e satíricas!! Certa vez fiz uma caixinha pra guardar tranqueiras e embrulhei com um monte de tirinhas!! Animei de fazer alguma coisa com as outras qu tenho guardada... Se quiser tento escanear e te mando!

Bjus
Bom te ler!!

Ramos disse...

Adorei a dica, vou lá sim. Bem legal seu texto. Parabens!

www.marcioram.blogspot.com

Leonardo disse...

dae tche,

O veríssimo é foda em quase tudo que faz (romance acho que não é a dele, a graça dele está nos pequenos textos, penso).

Tá bem legal teu blog, mesmo. Só não toma um porre de empolgação inicial pra depois ficar dias de ressaca hehehe.

P.S: o teu texto da aula de sexta, excelente, pena que não deu pra gente discutir mais sobre ele. Meio realismo fantástico,com um quê humorístico do Veríssimo, o que, aliás, é meio marca registrada tua, não?

abraço e vamos expandir nossa rede bloguística!