quinta-feira, agosto 16, 2007

O duzentés... O ducentéz... O dusentéc... Enfim, o post de número 200!

Não faz muito sentido aqui eu, um jornalista recém-saído da academia (com sua crítica bem embasada sobre a guerra da audiência), querer comemorar os 15 mil acessos e 23 mil page views alcançados pelo cabruuum em menos de dois anos de existência. Não faz sentido mesmo.

Muito menos ainda apontar que esses resultados foram alcançados em agosto, justamente o mês do desgosto. Qualquer ironia em cima disso seria um clichê, não vou cair nesse erro.

(Embora suspeite que acabo de cair nele...)

Mas bem, vou cair em outros erros, então. Pois este é o ducentésimo post do cabruuum. Isso significa que por duzentas vezes me sentei aqui em frente ao computador para falar algo acreditando que alguém aí do outro lado leria, nem que seja por piedade. Eheheh.

Mas é claro que estou brincando! Sou um preguiçoso nato, e não escreveria aqui se não soubesse que você lê. E que gosta. Aliás, seria ótimo que você, que não gosta tanto, ou que vê falhas, ou que tem sugestões, você que tem algo a dizer pra mim, por favor, diga. Ainda não tenho cacife pra contratar um ombudsman pro meu blog, embora bem quisesse.

Mas o que eu ia dizendo (eis outro post em que me perco totalmente, enrodilhado nas próprias linhas de raciocínio) é que o erro em que vou incorrer hoje é o da autopromoção. Pois o meu amigão Anderson fez um texto sobre mim (veja bem, não é sobre o blog) e publicou-o lá no ArTorpedo. Divulgo aqui porque me senti lisongeado e, não só pra rimar, emocionado. O texto representa pra mim uma gratificação tão grande que paga tudo o que eu poderia estar ganhando como jornalista, se usassse todo o tempo que dedico a este blog para fazer matérias frias, chonhas, que nem eu leria.

Enfim, agradeço a você, leitor, que permitiu que este humilde blog chegasse até aqui. Passos lentos, bem lentos, mas a impressão que tenho é que são passos dados por pés que sobem degraus. Quem saberá o que há no próximo andar, hein?

Bem, bem! Agradecido por tudo!

***

Ps.: pra entender o texto do Anderson: ano passado estive na Bahia (pulei Carnavel e tive minha carteira de motorista roubada) e em Aracaju (eu e o Anderson tomamos muitas e muitas cervejas numa tarde ensolarada e sergipana, vendo uma ponte ser construída). O Anderson fez esse texto em função de uma brincadeira entre alguns amigos. O mote era fazer referência ao sotaque baiano sem se desligar do objetivo de cada um dos blogs (o do Anderson é sobre novas tecnologias, principalmente de celulares). No fim, só o Anderson fez o texto, que ficou lindíssimo e cheio de referências. Vale destacar o trocadilho com o nome dum filme brasileiro recente. Vamos ver se você sabe qual é...

4 comentários:

Chapeuzinho disse...

Bah, piá mt bom o texto desse tal d Anderson. Pra falar a verdade ñ tinha entendido mt bem na primeira vez q li, mas dae reli o texto dae acho q consegui captar o o q alguém com + d 2 neurônio entenderia sem ter vivenciado a história d vcs 2 (isso soou meio gay, mas ñ er a intenção, heheh). Antes que eu eskeça, Parabéns pelo ducentésimo post e q venham os próximos 200!!!! Sempre q der um tempinho dou uma passadinha aki para somar-me aos ultrapassados 15 mil acessos e 23 mil page views hehheheh
inté!

Chapeuzinho disse...

ah, eskeci d fazer minha aposta no filme, é o "ó pai, ó"?

ClariDeggeroni disse...

Oi!
Faz tempo que eu não passava por aqui...
Bela homenagem que recebeste!

Um abraço!

Anônimo disse...

Paim, parabéns pelos 200 posts e eu que agradeço pelo link do texto. heheheh. Um grande abraço.