quinta-feira, dezembro 01, 2005

O (des)equilíbro dos Malvados

Acabo de voltar da reunião do Grupo Imagem. Como resultado (lá analisamos meu post anterior), a correção de que os quadros dos Malvados, do André Dahmer, não são quadrados, mas sim retangulares. Bem, questão de percepção...

Agora, há outras coisas mais a dizer. Principalmente sobre a relação entre o texto icônico e o lingüístico. Vejamos a tira de novo:




Afinal, qual é a razão de ser dessa mancha cinza atrás das personagens? Resposta: equilíbrio. Tente imaginar a tira em três situações: 1) sem a mancha cinza 2) os balões de fala das personagens colocados em lugares diferentes dos que estão agora 3) as personagens colocadas em outra posição dentro do quadro. Veja que em qualquer desses casos é gerado um desequilíbrio na composição da imagem. Sim, porque o texto escrito adquire status de texto icônico dentro do quadro. E a mancha cinza equilibra a relação entre ele e as figuras.

Quanto à explicação de ontem de as linhas e formas pontiagudas evocarem agressividade, aqui vai o embasamento teórico do professor Adair Caetano Peruzzolo, orientador do Grupo Imagem: "toda linha tem um determinado sentido arquetípico". Nossa, e ele morde? Eheheheh. Não. Na verdade, é difícil de entender no início, mas a gente vai assimilando devagarzinho....

É importente ter uma noção do que é analisar semioticamente um texto (icônico, principalmente): é tornar consciente alguns sentidos que a gente percebe inconscientemente. Mais ou menos como funciona uma psicoterapia.

Agora, outra coisa que quero falar das tiras Malvados é em relação ao fato de serem em preto e branco. Aliás, nem vou falar nada. Vou deixar o Scott McCloud falar por mim:

[escaneei da página 192 do livro Desvendando os Quadrinhos, do Scott McCloud, São Paulo: Makron Books, 1995]

Tá ruim de ler, vou transcrever: "A diferença entre quadrinhos em preto e branco e em cores é profunda, afetando cada nível de experiência de leitura. Em preto e branco, as idéias por trás da arte são comunicadas de maneira mais direta. O significado transcende a forma. Em cores planas, as formas assumem mais significância. O mundo se torna um playground de forma e espaço."

Viu? Bote umas cores na tira e confira como o sentido ao ler não será mais o mesmo. Provavelmente a ironia e o niilismo dos Malvados perderia força, e a forma dos personagens ganharia mais destaque. Duvida? Então imprima e faça o teste!

Bem, é isso. Chega de semiótica por hoje.

Um comentário:

milena disse...

Gostaria de acrescentar algo sobre arquétipos... Não só a linha, mas as demais formas terão um sentido arquetípico. Entretanto, os arquétipos não são configurações estanques, são significados com as interpretações individuais. Dizer que os cones dos malvados representam violência e o círculo do rosto a contrapõe é uma leitura de quem vê, no caso a sua... Se quiser, podemos ampliar as discussões. Abraço!